HOPI 2023-11-08T18:35:11+00:00
PT | EN
HOPI

As Kachinas são representações dos espíritos sagrados da natureza e dos anciãos falecidos de várias tribos descendentes do Pueblo Ancestral, como os Hopi, os Zuni e os Tewa. Segundo a cosmologia Hopi, estas divindades (mais de 400) habitam em Humphreys Peak, o ponto natural mais alto do Arizona, a oeste da reserva Hopi. De acordo com esta crença, estes espíritos descem às vilas todos os anos, entre o solstício de Inverno e meados de Julho, para dançarem e cantarem, garantindo assim colheitas abundantes, saúde e sorte para o povo da tribo.
Durante esta cerimónia, os homens das comunidades Hopi encarnam estes espíritos através da utilização de máscaras e fatos, cada um representando uma determinada Kachina, tornando-se intermediários entre as divindades e o resto do povo. Quando um homem se veste com o traje de uma Kachina em particular, ele acredita que o espírito dessa Kachina substitui a sua identidade pessoal, ajudando-o a guiar o seu povo, seja fazendo cerimónias de chuva, punindo aqueles que desobedeceram à lei ou distribuindo presentes pelas crianças (onde se incluem as famosas bonecas Kachina).

As bonecas e as máscaras são geralmente esculpidas numa única peça de madeira, que deve ser de uma árvore viva, usada para esse fim.
Com as suas cores vivas, as suas formas geométricas e o seu simbolismo complexo, as esculturas Kachina fascinaram o olhar ocidental e serviram de fonte de inspiração estética para vários artistas da vanguarda do início do século XX, em especial André Breton, Max Ernst, Paul Coze, Emil Nolde e Sophie Taeuber-Arp.

Todas as obras expostas no espaço da Cruzes Canhoto estão agora disponíveis para aquisição online.
Para o fazer, entre em contacto directo com a galeria.