KONGO 2023-11-13T18:02:05+00:00
PT | EN
KONGO

Com origens que remontam a milhares de anos, habitando a região do rio Congo, estima-se que os Kongo se tenham formado como sociedade por volta do século II. Porém, foi apenas um milénio mais tarde que se fundaram os primeiros reinos e principados no que é agora o seu território, estendido até à costa Atlântica. Mais de cem anos depois, formou-se o Reino do Congo, que atravessou séculos de comércio, cristianização, escravização e posterior colonização, até à libertação, com grande apoio dos Kongo, das actuais República do Congo, República Democrática do Congo e Angola, já no século XX.
Embora o Cristianismo se tenha tornado a fé mais presente, os adeptos das religiões ancestrais dos Kongo mantiveram as suas tradições, como a crença numa cosmologia dualista, na qual dois mundos, o mundo visível material e o mundo espiritual, existem em simultâneo, permitindo que os espíritos possam possuir o mundo material. Por conseguinte, a maior parte das figuras rituais dos Kongo representam espíritos benevolentes ou objectos habitados por eles.

Apesar da rejeição à fé cristã, por parte destes Kongo, supõe-se que tenha havido uma forte influência das figuras sacras europeias nas suas criações escultóricas, como se verifica na aplicação de pregos e pedaços de metal nos corpos das figuras Nkisi, algo observado só após a chegada das imagens de Cristo, de S. Sebastião e de outras representações de martírios e imolações. Por sua vez, estas figuras de poder foram objecto de inspiração para os artistas modernistas europeus do século XX.

Todas as obras expostas no espaço da Cruzes Canhoto estão agora disponíveis para aquisição online.
Para o fazer, entre em contacto directo com a galeria.