JANELA DOGON

QUEM CONTA UM CONTO,
ACRESCENTA-LHE UM DESCONTO*

#07
NOME: Janela Dogon
DATA: Meados do séc. XX
ORIGEM: Povo Dogon, Mali
MATERIAL: Madeira, pregos
DIMENSÕES: 29 x 65 cm
REFERÊNCIA: CC15-096

Os Dogon estão entre os mais antigos povos sobreviventes de África e têm uma identidade marcada pelos seus valores religiosos, conhecimentos astrológicos e elaboradas mitologias, base das suas criações artísticas. As peças que produzem têm um forte valor simbólico, pelo que são protegidas dos olhares do público, sendo normalmente preservadas no seio familiar.
Os répteis são as figuras mais recorrentes na ornamentação dos seus objectos, quer artísticos quer utilitários. Estes têm um culto particular na religião dos Dogon, pois são tidos como representação do primeiro ser vivo criado por Amma, o deus criador do universo. Denominado Nommo, era um anfíbio hermafrodita que tinha a capacidade de mudar de forma e regenerar a vida.
As portadas como a que destacamos eram usadas nas casas para proteger da vista alheia os grãos armazenados no interior. Nas suas ornamentações eram invocados os seres primordiais – os antepassados e os lagartos sagrados – simbologias que serviam para honrar o Criador, proteger as colheitas e as entradas da casa, tornando-as sacrossantas.
A arte Dogon influenciou artistas ocidentais do início do século XX como Pablo Picasso, Georges Braque, André Derain e Jacob Epstein.

*[A Cruzes Canhoto coloca em destaque, semanalmente, uma das suas peças, com um desconto de 25%.]

2018-04-11T15:53:34+00:00